Proposta sobre Teto de Salário Palamentar

Ricardo Young disse que concorda com a proposta do vereador Vespoli desde que ela não tenha caráter demagógico. “Embora seja justo corrigir os salários pela inflação, isso não quer dizer que os salários sejam suficientes.” — Via Assessoria

Toninho Vespoli quer novo teto para reajuste de salário parlamentar PDF Imprimir E-mail
 RenattodSousa/CMSP

VESPOLI_0026-72-ABRE

Em 2012, o salário dos vereadores foi reajustado em 61,8%, compensando a inflação de quatro anos e consistindo ainda em um aumento real. Ao mesmo tempo, os servidores municipais tiveram apenas 0,01% de correção anual. Com o intuito de modificar a correção salarial dos parlamentes, o vereador Toninho Vespoli (PSOL) protocolou nesta semana um Projeto de Emenda à Lei Orgânica (PLO) que estipula a inflação como teto para o aumento da remuneração dos parlamentares.

Atualmente, os salários dos vereadores estão atrelados aos salários dos deputados estaduais e à população do município. Por exemplo, em cidades com mais de 500 mil habitantes, os vencimentos podem ir até o teto de 75% do subsídio dos deputados estaduais. Estes, por sua vez, não podem receber além de 75% do valor fixado aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), atualmente em R$ 26.723,13.

“Se a Prefeitura não consegue ter uma política de reajuste de salários, a Câmara tem que dar o exemplo”, argumentou Toninho Vespoli, autor do PLO 4/2013. “Há um sentimento da população de que ganhamos acima do que o resto dos paulistanos, o que não deixa de ser verdade”, completou. Para ele, os parlamentares deveriam receber valores mais próximos à média dos brasileiros.

O vereador Ricardo Young (PPS) comentou a proposta de Vespoli, e disse que considera os salários dos parlamentares baixo. “Se você olhar a responsabilidade do parlamentar e a dedicação que ele precisa ter para exercer o cargo, ele ganha menos do que um cargo de gerência no setor privado”, pontuou. Entretanto, ao comparar a situação do setor público com o privado ele considera a proposta de Toninho Vespoli justa: “Nas empresas o dissídio é pelo menos igual ao IPC (Índice de Preços do Consumidor)”.

Para ele, o ordenado dos vereadores precisa ser o suficiente para que pessoas qualificadas concorram ao cargo e se dediquem a ele em tempo integral. “Tem que qualificar para a população cobrar mais e honrar a atividade política”, concluiu. A proposta ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça da Casa antes de ser apreciada em Plenário.

 (25/4/2013 – 17h20)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s