Discussão sobre a Av. Paulista – Boulevard

Transcrição da fala do Ricardo Young na sessão ordinária de 27/11: Original

O SR. RICARDO YOUNG (PPS) – (Sem revisão do orador) –

(..)

Hoje de manhã estive num evento do Paulista Viva, do Rotary da região da Paulista e da OAB, onde discutíamos o papel da Av. Paulista no Plano Diretor Estratégico. Essa avenida talvez seja o espaço de maior identidade do paulistano. Quando o paulistano vai comemorar a vitória dos seus times, ele vai para aonde? Vai para a Av. Paulista. Quando há festa de Carnaval de rua, para aonde vai o paulistano? Vai para a Av. Paulista. Quando há comemoração de Natal e Ano-Novo? Vai para a Av. Paulista. Quando ele quer se manifestar democraticamente, para aonde que ele vai? Vai para a Av. Paulista. Portanto, a Av. Paulista é a própria alma da Cidade. Ser uma cidade multicêntrica não pode implicar na anulação, ou negligência, de um dos espaços mais importantes para a Cidade.

Nesse evento de dois dias foi discutido o futuro da Av. Paulista e ali foi colocada claramente a necessidade de se tombar a Av. Paulista como patrimônio da cidade de São Paulo, transformando-a num boulevard, segundo os princípios mais modernos de urbanismo e sustentabilidade.

Fica uma sugestão e uma provocação para os demais Colegas: vamos trazer a discussão sobre a Av. Paulista para o coração do Plano Diretor Estratégico, além da questão ambiental e da sustentabilidade, que lamentavelmente vem sendo desprezada.

Opinião:

Acredito que a proposta de criação do boulevard na Av. Paulista é uma ideia que beira a utopia em uma cidade como São Paulo, mas como já disse Eduardo Galeano “Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”. Espero que essa ideia prospere, pois ela é muito boa e São Paulo merece um espaço assim.

@rafascarvalho

No Dia Mundial sem Carro, prefeitura proíbe carros no centro de SP

Trata-se da ação mais ousada da gestão Fernando Haddad (PT) para celebrar a data. Ao todo, a circulação de automóveis ficará bloqueada das 7h às 17h em 10 quilômetros de vias

Da Reportagem

Medida inédita no trânsito de São Paulo, as ruas do centro da cidade ficarão fechadas para carros neste domingo (22). Trata-se da ação mais ousada da gestão Fernando Haddad (PT) para celebrar o Dia Mundial Sem Carro.

Ao todo, a circulação de automóveis ficará bloqueada das 7h às 17h em 10 quilômetros de vias da região, em uma área delimitada por vias como Mercúrio, Ipiranga e São Luís, a chamada Rótula Central. A restrição, no entanto, será apenas educativa, ou seja, quem quiser poderá circular normalmente com o veículo pelo local.

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, afirmou nesta segunda-feira, 16, que o projeto tem como finalidade beneficiar a grande quantidade de pedestres que circulam pelo centro. Durante um debate promovido pela Rede Nossa São Paulo, ele deu a entender que a restrição poderá voltar a ser promovida no futuro. “Quem sabe um dia aquela região central possa ser prioritariamente, senão em definitivo, para o pedestre, para o ciclista e para o transporte público?”, disse Tatto.

Exceto moradores, ninguém que esteja dirigindo será bem-vindo à região central neste domingo. Agentes de trânsito vão orientar os condutores sobre a restrição, mas não vão impedi-los de prosseguir a viagem caso queiram entrar na área. “Mas vai ser como alguém fumando em um restaurante, inconveniente”, afirmou um funcionário da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que não quis se identificar.

Semana da Mobilidade

Diversas faixas educativas já estão sendo instaladas em artérias que levam ao centro, como a Avenida Marquês de São Vicente, para informar os motoristas sobre a ação no Dia Mundial Sem Carro.

No site da CET nesta segunda já havia informações sobre a restrição. Em um mapa que mostra a abrangência da projeto, lia-se uma recomendação para que as pessoas evitassem o interior da Rótula Central durante toda a Semana da Mobilidade, que começa amanhã. O texto é enfático: “De 18 a 25/09, procure vir para essa região sem seu carro!”

Uma pesquisa do Ibope em parceria com a Nossa São Paulo revela que os paulistanos estão mais dispostos a migrar do transporte individual para o coletivo. Segundo o levantamento, 61% dos entrevistados trocariam de modal “com certeza” se já houvesse uma boa alternativa de transporte público. Na pesquisa do ano passado, esse porcentual era de 44%.

“Eu, cada vez mais, acho que é de profundo mau gosto sair de carro de casa. Eu tenho evitado sair de carro. A gente polui, o estacionamento é caro, fica no trânsito”, disse Tatto no evento

Para Alexandre Zum Winkel, especialista em Engenharia de Tráfego, a iniciativa é “muito interessante”. “Ainda mais por acontecer em um dia que não é crítico, o domingo. Creio que despertará uma conscientização no motorista sobre a utilização correta do carro. De que não precisamos dele para ir comprar pão na padaria, por exemplo”, afirmou Winkel.

O técnico crê que a tendência é que, em breve, a Prefeitura de São Paulo passe a fechar mais vias para o lazer no domingo, como já faz com o Elevado Costa e Silva, o Minhocão. “A Avenida Paulista é uma via em potencial, por causa de suas ruas paralelas”, disse.

Além da restrição aos carros no centro, a Prefeitura planeja para a Semana da Mobilidade a realização de um ciclo de palestras, entre as quais uma sobre a implementação de faixas de ônibus, com uma pesquisa inédita sobre a eficácia desse mecanismo na circulação pela cidade. A administração também informa estar iniciando um mapeamento do “DNA” das linhas de ônibus, para redistribuí-las de forma mais eficaz para atender à demanda.

Link Original: http://www.diariodolitoral.com.br/conteudo/18174-no-dia-mundial-sem-carro-prefeitura-proibe-carros-no-centro-de-sp

Opinião:

O vereador Ricardo Young defende a transformação da Av. Paulista em um Boulevard “que reforce a identidade da população e seja a grande vitrine das políticas sustentáveis.” Eu acho uma ideia excelente e temos algumas experiências interessantes fora do Brasil.

@rafascarvalho