CPI dos Transportes é instalada

Acompanhei de perto as movimentações que acabaram na instalação da CPI dos Transportes. Aqui mesmo no blog vocês puderam ver que o vereador Ricardo Young foi quem levantou a questão de investigar as planilhas da SP Trans na durante reunião da Comissão dos Transportes. Foi ele também quem protocolou o requerimento para criação da CPI dos Transportes e iniciou a as discussões, principalmente na mídia, à respeito do tema. Hoje a CPI foi instalada aprovada e instalada.

Essa poderia ser a história, porém aconteceram muitas coisas nas vírgulas da história contada acima. A CPI instalada não foi a protocolada pelo vereador Ricardo Young, mas sim, a que constava em um requerimento que surgiu ontem, assinado pelo vereador de Paulo Fiorillo (PT).

Até terça-feira na reunião dos líderes, que acompanhei pessoalmente, o líder do governo, o vereador Arselino Tatto, era contra a instalação de qualquer CPI sobre o tema. Não entendia a necessidade. Quando Tatto percebeu que a pressão popular (além de algumas insatisfações da “base” do governo) tornaria inevitável a criação da CPI, iniciaram-se diversas manobras regimentais e nos bastidores da CMSP (o cafezinho do plenário estava “bombando”) para que o governo e certos vereadores tivessem total controle sobre as investigações. Para resumir a história, a CPI que entrou na pauta por iniciativa do vereador Ricardo Young, virou um monstro, sendo composta por vereadores com ligações com os empresários, outros conhecidos por fazer da CMSP uma banca de negócios e o PT com a presidência.

Uma iniciativa que tinha o objetivo de abrir a “caixa preta” dos transportes será usada para “achacar” (palavra que entrou no meu dicionário graças ao secretário Jilmar Tatto, irmão do Arselino Tatto) qualquer tentativa de brigar com a máfia que o próprio PT sabe que existe.

A política paulistana não é para amadores, e agora também se mostra que não se dá ao luxo de correr riscos. Quando existe o risco, os “profissionais” entram em ação. Que fique claro que isto não é nenhum elogio à oposição, que também se calou durante o governo Serra/Kassab sobre as planilhas. Aqui a coisa vai muito além que governo versus oposição.

Resta-nos acompanhar de perto essa CPI. Muito de perto. Aos estudantes que compareceram à galeria da CMSP e à reunião dos líderes. Se querem resultados positivos, vocês terão muito trabalho pelo frente.

Os membros do colegiado, a princípio, serão: Paulo Fiorilo (PT), Eduardo Tuma (PSDB), Edir Sales (PSD), Milton Leite (DEM), Dalton Silvano (PV), Adilson Amadeu (PTB) e Nelo Rodolfo (PMDB). De acordo com o regimento da casa, presidência é concedida ao proponente da comissão, no caso, o vereador petista. O relator será o vereador Milton Leite.

@rafascarvalho

Anúncios

Líder do governo Haddad é contra CPI dos Transportes

Líder do governo Fernando Haddad (PT) na Câmara Municipal de São Paulo e irmão de Jilmar Tatto, secretário de Transportes, o vereador Arselino Tatto (PT) afirmou que vai defender na base governista voto contrário à instalação da CPI dos Transportes. Os governistas somam hoje 42 dos 55 vereadores paulistanos.

Amanhã (25) os parlamentares vão decidir se abrem uma comissão para investigar os gastos da Prefeitura com as empresas e cooperativas de ônibus da capital paulista. “Não é necessária a CPI. É possível pedir as planilhas nas comissões dos Legislativos, como na Comissão de Transportes. Não temos nenhum fato novo para motivar a abertura dessa comissão”, argumentou Tatto ao blog Política Paulistana.

A abertura da CPI é defendida pelo Movimento Passe Livre e pelo Diretório XI de Agosto, da Faculdade de Direito da USP, como forma de abrir a “caixa-preta” dos custos do governo com as empresas concessionárias do transporte público. Neste ano, por exemplo, R$ 1,425 bilhão deve ser gasto com dinheiro público para bancar o serviço de ônibus na cidade.

Segundo Tatto, com a redução da tarifa de R$ 3,20 para R$ 3,00 a CPI se tornou desnecessária. “É natural que a oposição queira surfar nisso. Mas nós vamos defender na base que o voto seja contrário. Temos de valorizar as comissões já instaladas”, disse.

O projeto foi protocolado pelo vereador Ricardo Young (PPS) com apoio de 22 outros parlamentares. Para ser aprovada, a CPI precisa de 28 votos favoráveis em plenário. O governo, entretanto, quer evitar a abertura da comissão, que se transformaria em palco para ataques contra o governo petista.

Arselino Tatto (PT), contrário à CPI dos Transportes: “não existe nenhum fato novo para isso.”

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, também afirmou nesta segunda-feira, 24, que é contra a CPI dos Transportes. Ele disse que a comissão servirá para “achacar o setor”. “Sou totalmente contra, porque CPI quando se instala geralmente é para ficar achacando o setor, não é para resolver, tirar dúvidas”, disse Tatto.

O dirigente falou que todas as planilhas do setor estão abertas para consulta e que a CPI só irá “tirar o foco” da discussão em torno da concessão do serviço de ônibus.

Segue a lista de vereadores que assinou a favor da instalação da CPI dos Transportes

Ota (PSB), Coronel Telhada (PSDB), Floriano Pesaro (PSDB), Mario Covas Neto (PSDB), Ari Friendbach (PPS), Wadih Mutran (PP), Paulo Frange (PTB), Conte Lopes (PTB), Paulo Fiorilo (PT), Vavá (PT), Andrea Matarazzo (PSDB), Gilberto Natalini (PV), Nabil Bonduki (PT), Ricardo Nunes (PMDB), Rubens Calvo (PMDB), Edir Sales (PSD), Juliana Cardoso (PT), Eduardo Tuma (PSDB), Goulart (PSD), Claudinho (PSDB), Alfredinho (PT), Laercio Benko (PHS), Atílio Francisco (PRB)

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/diego-zanchetta/lider-do-governo-haddad-e-contra-cpi-dos-transportes/

——

Opinião:

E começa a operação abafa! Quem acompanha a Comissão de Transporte sabe que nenhuma análise profunda será feita por ela. Lembro que não foram apenas vereadores da oposição que assinaram o pedido, há diversos vereadores do PT, PSB, PP, PTB e PMDB que fazem parte da “base” do governo.

Comissão de Transportes – 12/06

Ricardo Young tem o requerimento aprovado para que a Sptrans apresente onde os subsídios, que já estão previstos a que cheguem a 1 bilhão e 300 milhões, são gastos e que as empresas de ônibus apresentem as Planilhas de Custos.

Com o voto contra do Ricardo Young, o PL 44/2013 é aprovado na Comissão dos Transportes.

O projeto não tinha sido aprovado na última reunião, mas como mágica, vereadores mudaram de posição e agora foi aprovado.#estranho

Agora o projeto segue a tramitação.