O rendimento da Câmara Municipal de São Paulo

Já tratei aqui o assunto, mas é bom lembrar. Sei que o trabalho dos vereadores não se restringe às sessões plenárias, porém incomoda muito você assistir o maior legislativo da América Latina passar meses sem conseguir aprovar leis relevantes para a população.

Sei também que sofremos de um “excesso” de leis, muitas delas inúteis, porém há assuntos importantes em pauta. PPI, Fretamento, Lei de Zoneamento, Orçamento 2015, entre outros assuntos.

Seja por impasses políticos ou por interesses eleitorais, a Câmara Municipal de São Paulo não é dos vereadores e sim da população. Esta é a cobrança que faço ao vereador Ricardo Young (você pode ser o posicionamento dele no vídeo abaixo) e aos seus pares. Vejo esforços do vereador Ricardo Young em expor este problema e buscar acordos, mas a última reunião de líderes me deixou preocupado, pois este rendimento não parece que vai melhorar se dependermos do impasse político que há.

@rafascarvalho

Rendimento Câmara Municipal

Anúncios

Projeto: Táxi Compartilhado

Via: Ricardo Young

Bom dia! Táxi compartilhado em São Paulo: que tal ‘rachar’ a corrida?

Correr pra entrar na entrevista de emprego no horário marcado; chegar ao encontro com os amigos sem se atrasar (demais); não perder aquela peça de teatro pela demora no trânsito: tarefas difíceis para quem se move por São Paulo, seja de carro ou transporte público. Para não chegar atrasado e nem gastar uma fortuna atravessando a cidade, dividir um táxi pode ser a saída. Mas como fazer isso se andamos tantas vezes sozinhos?

Vereador da Câmara Municipal de São Paulo, Ricardo Young (PPS) elaborou um projeto de lei para incentivar o uso do táxi como um transporte público. “Já que circulam nos corredores de ônibus, os táxis devem ser melhor aproveitados, com custo mais baixo para a população”, formula o vereador.

A ideia do Táxi-Compartilhado é que os carros se cadastrem para complementar as linhas de ônibus e metrôs, auxiliando na diminuição do fluxo delas. Os trajetos serão pré-definidos e feitos próximos a terminais de ônibus, estações de metrô e locais de grande circulação, como shoppings centers.

Com uma tarifa definida por percurso, quem usar o táxi-compartilhado poderá “rachar” a cobrança com os outros passageiros. A conta é simples: quanto mais gente no carro, menor o custo para cada passageiro e menos carros estarão nas ruas carregando apenas uma pessoa. Para Young, a promoção do táxi compartilhado como política pública significa “oferecer uma alternativa para os causadores do congestionamento, que são os motoristas de carro.”

A proposta está tramitando na Câmara e deve ser votada ainda este ano. Young enviou o projeto para os gabinetes dos colegas na Casa em busca de assinaturas de co-autoria. A atuação suprapartidária, segundo ele, “visa a fortalecer as boas ideias do parlamento.”

—-

Opinião: Tive a oportunidade de usar algo semelhante em Santiago/Chile. Na verdade são táxis com itinerários pré-definidos e preço fixo, variável dependendo do trajeto. Você entra no carro e desde durante o trajeto (como se fosse um táxi comum). Acho a ideia muito válida e acredito que assim faz sentido você liberar o tráfego desses táxi nas faixas e corredores de ônibus. Vou encaminhar um questionário para saber detalhes do projeto.

@rafascarvalho

Ricardo Young comenta sessão de 21/02/2013

As sessões da Câmara Municipal acontecem toda terça, quarta e quinta às 15h (isso se não falecer nenhum ex-vereador ou parente). Pelo horário, acompanhar as sessões não é das tarefas mais fáceis de se fazer, portanto elogio os vídeos que o vereador Ricardo Young tem disponibilizado, é um jeito rápido de saber o que aconteceu (ou não) na sessão.

Sobre a sessão de 21/02, mais uma vez não houve acordo e não aconteceu nenhuma votação. Veja o vídeo abaixo.

@rafascarvalho

Projeto: Alerta contra Enchentes

–via Ricardo Young

O vereador Ricardo Young se pronunciou agora no chamado “grande expediente”, na sessão plenária da Câmara Municipal de São Paulo.

Enquanto os vereadores comparavam os avanços e gargalos que cada gestão deixou para a questão das enchentes, Young anunciou ter protocolado hoje um projeto de lei para obrigar a prefeitura a comunicar a população, com antecedência, sobre as chuvas que podem causar estrago.

O alerta permitiria encerramento de expedientes e dispensa de funcionários em repartições públicas, escolas e empresas para que as pessoas pudessem se preparar e se proteger de enchentes, como já acontece em cidades europeias e norte-americanas que sofrem com as nevascas.

Você pode ouvir aqui o discurso completo”