Em meio a eleições e falta de acordo, CMSP não tem reunião de Líderes

Uma das reuniões que considero mais importante dentro da CMSP é a reunião do Colégio de Líderes. É nela onde as pautas das sessões plenárias são discutidas e dificilmente algum projeto que não seja levado a esta reunião é aprovado.

Todos os líderes de bancadas podem participar, veja abaixo a lista das lideranças partidária e de governo:

Líderes de Bancada

 

BLOCO PARLAMENTAR DEM/PR
Milton Leite
PARTIDO REPUBLICANO DA ORDEM SOCIAL
Noemi Nonato
PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL
Netinho de Paula
PARTIDO SOCIAL DEMOCRÁTICO
José Police Neto
PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE
Laércio Benko
PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA
Floriano Pesaro
PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO
Ricardo Nunes
PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE
Toninho Vespoli
PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO
Eliseu Gabriel
PARTIDO DOS TRABALHADORES
Líder: Alfredinho
Vice-Lider:Senival Moura
PARTIDO POPULAR SOCIALISTA
Ricardo Young
PARTIDO TRABALHISTA BRASILEIRO
Líder: Paulo Frange
Vice-Líder: Conte Lopes
PARTIDO REPUBLICANO BRASILEIRO
Atílio Francisco
PARTIDO VERDE
Dalton Silvano
PARTIDO PROGRESSISTA
Pr. Edemilson Chaves
Líderes de Governo
Líder
Arselino Tatto

 Sempre que possível, procuro acompanhá-la, até porque o vereador Ricardo Young participa delas.

Para minha surpresa, nesta terça-feira ao entrar no link dos Auditórios Online do site da CMSP, não havia transmissão. Ao questionar o vereador Ricardo Young sobre o que teria acontecido, recebi a resposta: “Não teve. Recebemos um email desmarcando sem citar o motivo.”

Achei muito curioso isso, e resolvi perguntar para outros líderes para ouvir outras opiniões. Encaminhei, via Twitter, o questionamento para os vereadores: Police Neto (PSD), Floriano Pesaro (PSDB) e José Américo (PT). Apenas o presidente da CMSP José Américo não respondeu. Veja abaixo as respostas:

Apesar de serem 3 respostas diferentes, não acredito que elas sejam excludentes. Na minha opinião: há impasse sobre PLs, o governo não tem maioria para aprovar e a oposição não tem interesse em ajudar. Diante disso, o presidente José Américo não convocou reunião, pois sabia que não havia acordo. Com isso, o vereador Ricardo Young, que representa uma bancada de 1 vereador (ele mesmo), não foi consultado e apenas informado que não haveria a reunião.

Mas será que o impasse é apenas sobre os PL’s ou os vereadores não tem interesse em votar nada em época de eleições? Para descobrir isso, vamos fazer encaminhar um pequeno questionário para os vereadores candidatos e descobrir o que esta acontecendo (ou não) na CMSP.

@rafascarvalho

Anúncios

PlanVale volta atrás e não encerra amigavelmente o contrato com a CMSP

A PlanVale, empresa que fornece os cartões de vale-refeição aos funcionários da CMSP, havia se comprometido a encerrar o contrato devido aos problemas operacionais e políticos que o contrato apresentou. Para quem não se lembra, o vereador Ricardo Young questionou aspectos do contrato e a qualidade do serviço prestado pela empresa em uma das sessões do plenário. A empresa, em nome do seu sócio, enviou uma carta ao vereador Ricardo Young ameaçando fazer uma representação contra o vereador por causa das afirmações e dos questionamentos feitos.

O assunto foi levado pelo vereador ao presidente José Américo, que em uma reunião da Mesa Diretora cobrou que a empresa sofresse alguma retaliação por ameaçar um vereador, além de prestar serviços ruim.

Na Reunião da Mesa Diretora de 05/11 o assunto voltou à pauta. A empresa não aceitou romper amigavelmente o contrato. Mais da metade das solicitações de novos credenciamentos de pontos comerciais feitas à PlanVale não foi atendida. Os estabelecimentos comerciais não estão aceitando o credenciamento, pois segundo foi relato na reunião da Mesa Diretora, na visão dos comerciantes a taxa cobrada é alta, há demora no repasse, as máquinas sempre apresentam problemas (ou seja, quando aceita, não passa).

Será feito um estudo pelo Mesa Diretora para tentar resolver o impasse ou pelo menos melhorar a prestação de serviço da empresa.

@rafascarvalho

Ricardo Young questiona instalação de vidro blindados

Ricardo Young usou a sessão plenária de hoje para questionar duas decisões da Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo.
O primeiro questionamento foi a respeito da troca da empresa fornecedora do vale alimentação dos funcionários das CMSP. O vereador questionou a ligação da empresa vencedora com membros do PT e a qualidade do serviço prestado.
O segundo questionamento foi sobre a decisão da Mesa Diretora em contratar, em regime de urgência, a empresa Blindaço para instalar vidros blindados no térreo da CMSP.
Houve um bate-boca pesado entre Ricardo Young e o presidente José Américo. O presidente chamou Ricardo de leviano, afirmou que a Planvale ganhou a licitação pois apresentou o menor preço (inclusive disse que queria que eles ganhassem) e que os vidros blindados serão instalados por recomendação da Polícia Militar.
Vários vereadores (alguns que nem estavam na sessã) começaram a pedir a palavra defendendo as decisões da Mesa Diretora. Ricardo ficou isolado, recebendo apenas o apoio do vereador Natalini.
No final tanto Ricardo como Zé Américo tentaram abaixar os ânimos dos discursos, mas o clima ficou bem tenso!
Ricardo Young gravou um Direto do Plenário explicando o que aconteceu em sua visão. Veja aqui.
—-
Opinião:
Talvez se a Mesa Diretora tivesse desde o início do ano se mostrado aberta à fiscalização da população, esses questionamentos não teriam nenhuma lógica. A instalação dos vidros blindados me parece que começou a ser discutida na primeira reunião de Agosto (não dá para saber o que foi discutido, pois apesar de ter sido a primeira reunião aberta à população, não temos o vídeo disponível). Eu acompanhei alguns trechos da última reunião e o tema foi tratado bem rapidamente, me chamou a atenção na hora, afinal a primeira impressão é que os vereadores tem medo de manifestação. Se o processo tivesse sido conduzido de forma mais transparente, os questionamentos seriam bem menores, pois entenderíamos o processo da decisão e poderíamos avaliá-lo, antes de julgá-lo

@rafascarvalho

Reunião da Mesa Diretora da Câmara Municipal volta a ser fechada à sociedade

Justificativa da presidência e da vice-presidência é que órgão tratará apenas de questões técnicas internas da Casa. Reuniões de líderes continuarão sendo abertas

Airton Goes airton@isps.org.br

Nos últimos dois anos, as reuniões da Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo foram realizadas sem nenhuma restrição à participação da sociedade, incluindo jornalistas e representantes de organizações que acompanham o trabalho do Legislativo paulistano. Essa prática, entretanto, foi alterada nesta quarta-feira (6/2) pelo novo presidente da Casa, vereador José Américo (PT).

Minutos antes do início do primeiro encontro do órgão na nova Legislatura, as pessoas que aguardavam a reunião foram comunicadas pela Guarda Civil Metropolitana (GCM) que somente poderiam permanecer no local – Sala Tiradentes – aquelas oficialmente convidadas.

Ao chegar ao local, o presidente da Câmara Municipal, José Américo, confirmou que havia determinado que as discussões do órgão que dirige a Câmara Municipal fossem fechadas. “Preciso conversar com a Mesa e é uma conversa privativa”, afirmou.

Ele também determinou que a reunião não fosse transmitida pelo site da Casa, uma prática que havia se tornado comum no último biênio.

Explicações da presidência e da vice-presidência

Após a reunião, Américo explicou que as reuniões da Mesa Diretora serão fechadas porque deverão tratar apenas de questões técnicas. “Ao final de cada reunião, me colocarei à disposição para informar as deliberações e responder os questionamentos dos interessados”, argumentou.

O presidente da Câmara garantiu que as reuniões de líderes, onde são decididos os projetos que entrarão na pauta de discussões e votações, continuarão sendo realizadas de forma aberta à sociedade.

Para o vereador Marco Aurélio Cunha (PSD), 1º vice-presidente, as discussões sobre funcionários não devem mesmo ser abertas. “Chamar atenção publicamente de um funcionário é meio constrangedor”, justificou, antes de complementar: “São reuniões de trabalho, com pautas técnicas”.

A nova Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo é composta pelos seguintes vereadores:
José Américo (PT) – presidente
Marco Aurélio Cunha (PSD) – 1º vice-presidente
Aurélio Miguel (PR) – 2º vice-presidente
Claudinho de Souza (PSDB) – 1º secretário
Adilson Amadeu (PTB) – 2º secretário
Gilson Barreto (PSDB) – 1º suplente
Dalton Silvano (PV) – 2º suplente

Fonte: http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/node/24196

—–

Comentários: Simplesmente inaceitável a posição da Mesa Diretora. O que é tão constrangedor que será tratado para que o cidadão não possa saber? São pautas técnicas, ótimo, o cidadão que se interessar deve ter acesso. Vou cobrar uma posição de cada integrante da mesa diretora sobre esta questão e volto para publicar.